domingo, 16 de fevereiro de 2014

Conheça mais sobre a planta que se torna a caixa de ressonância do berimbau


A cabaça,  também conhecida como porongo é o recipiente mais comumente usado como cuia, tendo como vantagens a fácil obtenção e o baixo custo.  A “cuia” nada mais é do que um porongo seco, ou seja, o fruto do porongueiro (Lagenaria vulgaris, família das cucurbitáceas) amadurecido e limpo de sementes.

A cabaça é uma planta trepadeira anual de caule herbáceo (semelhante a erva). As flores são, em geral, amarelas ou brancas. Os frutos, de várias cores e feitios, atingem em média 40 centímetros de diâmetro.

É também chamada em algumas regiões brasileiras de cuitê ou cuité, cabaça-amargosa, cabeça-de-romeiro, cabaça-purunga, cabaço-amargoso, cocombro, Cuia e Taquera. Destaque-se que em algumas zonas de Portugal utiliza-se a palavra cabaça para designar a abóbora.
O fruto da cabaça é colhido mais cedo ou mais tarde segundo o tamanho da vasilha que se queira fazer. Depois de retirado o miolo, lava-se bem e deixa-se secar. A vasilha era usada para as mais variadas finalidades e estava presente na vida cotidiana dos indígenas e seu uso foi assimilado pelos colonizadores portugueses e espanhóis. Era usada como recipiente para água e alimentos, também como vaso, entre outros usos, como para fazer um berimbau, por exemplo.

No que diz respeito ao berimbau, a menção ao uso de cabaças da família das cucurbitáceas, como a Lagenaria siceraria, é incorreta. A cabaça utilizada no berimbau é o fruto de uma espécie não aparentada, a árvore Crescentia cujete (bignoniáceas), também conhecida como calabaça, cuia e cueira.


fonte: http://sitioearte.wordpress.com/cabaca-cultivo-a-arte/
pt.wikipedia.org/wiki/Cabaça
http://www.viladoartesao.com.br/blog/2008/04/a-cabaca/

Nenhum comentário:

Postar um comentário